História das Coisas

 

            Analisar o documentário “A História das Coisas” baseado nas perguntas abaixo:

 

1)      Modo de produção: Infra-estrutura (explicar).

2)      Superestrutura: política e ideológica

3)      Qual a relação entre superestrutura e o modo de produção

4)      O documentário comprova a tese: a determinação do comportamento individual pelo modo de produção. Justificar resposta.

5)      Onde eu me situo nessa organização social? Ela é justa?

 

Resolução

 

1) Entende-se por infra-estrutura, a relação de trabalho existente entre os materiais e meios de produção com a natureza. Além disso, há também, as relações de produção entre os homens que compõem o capitalismo.

 

2) A superestrutura é, por si só, o pilar ideológico de um modo de produção. Portanto, a superestrutura é composta por caracteres morais presentes na sociedade como os costumes e as crenças, o direito, a religião e a política. Por conseguinte, tais mecanismos justificam como se comporta o sistema de produção, entretanto é válido ressaltar que o contrario também acontece. Conclui-se daí que a dominação ocorre de maneira ideológica e institucionalizada.

 

3) A relação existente superestrutura e o modo de produção é que a superestrutura influi de maneira direta na infra-estrutura, sendo que a consciência dos homens se torna fator fundamental do seu ser. Percebe-se que o modo de produção transpassa para a vida vários aspectos como no campo político, social e até intelectual.

 

4) Percebe-se no documentário que há influência do modo de produção no comportamento individual das pessoas, pois a mídia dissemina, a todo o momento, tendências que acarretam em um consumismo exacerbado. Um exemplo disso é a moda, que faz com que ano a ano as vestimentas se alterem, ocasionando em uma troca constante de bens matérias de maneira desnecessária.

 

5) Os cidadãos se localizam no centro dos problemas, juntamente com o que o liga aos modos de produção: o consumismo. Assim, ao homem são atribuídos valores consumistas, que são debatidos ao decorrer do documentário. Dessa forma, há o estigma de quem não consome não vale nada para a sociedade, e quem consome pouco vale pouco, isso reflete efeitos negativos na sociedade, pois ocasiona a exclusão e equipara o homem ao objeto. Além disso, há a preocupação ambiental, pois o consumo exacerbado sempre bastante desfavorável ao meio ambiente E há também o fato de que as pessoas trabalham cada vez mais, para consumirem mais, e produzirem mais e terem mais o que consumir. Portanto, tal organização social é injusta, sendo que tal injustiça deriva da forma que se consolidou o capitalismo no mundo moderno, uma vez que este desrespeita a condição do ser.