O que é Sociologia

Por: Rafael Resende Cassimiro

 

 

MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. 38. ed. São Paulo : Brasiliense, 1994. (Primeiros Passos)

 

 

SURGIMENTO:

 

O seu surgimento ocorre num contexto histórico específico, que coincide com os derradeiros momentos da desagregação da sociedade feudal e da consolidação da civilização capitalista. Têm-se como referencia do surgimento da sociologia o Século XVIII com a dupla revolução que ocorreram neste período: a revolução industrial e a revolução francesa. Porém a palavra Sociologia surgiu somente cem anos depois por volta de 1830. As transformações ocorridas na época por conseqüência destas duas revoluções fizeram com que houvesse uma alteração na vida social. A criação de novos jornais, novas literaturas, procedia a uma critica da sociedade capitalista e inclinava-se para o socialismo como alternativa de mudança. Seus precursores foram recrutados entre militantes políticos, entre indivíduos que participavam e se envolviam profundamente com os problemas de suas sociedades. Ela constitui uma revolta uma resposta intelectual às novas situações colocadas pela revolução industrial e uma boa parte dos seus temas foi retirada das novas situações impostadas por estas revoluções como a situação da classe trabalhadora, o surgimento da cidade industrial, as transformações tecnológicas dentre outros fatores. Alem das revoluções ocorridas na época, outra circunstancia foi fundamental para o surgimento do pensamento sociológico: modificações que vinham ocorrendo nas formas de pensamento. Desde o século XVI as transformações econômicas ocorridas no leste europeu influenciaram na forma de se ver a natureza e a cultura. Já os pensamentos filosóficos do século XVII contribuíram para popularizar os avanços do pensamento científico. Este emprego da razão, por sue lado, representou um grande avanço para libertar o conhecimento do controle teológico e, conseqüentemente, para a formulação de uma nova atitude intelectual diante dos fenômenos da natureza e da cultura. Já os iluministas, com o uso da razão e da observação, conseguiram fazer uma analise de quase todos os aspectos da sociedade. A junção destes pensadores da época fez surgir uma crença de que para organizar uma sociedade precisaria ser fundada uma ciência nova, que era a sociologia, a qual sempre foi mais do que mera tentativa de reflexão moderna da sociedade.

 

A FORMAÇÃO:

           

Uma falta de entendimento comum dos sociólogos sobre sua ciência possui uma relação com a sociedade dividida pelos antagonismos de classe,por conseqüência de interesses opostos na sociedade capitalista da época,m o que possibilitou a formação de distintas sociologias. Saint-Simon por exemplo, foi tido como um dos primeiros pensadores socialistas do mundo. Sofreu influencia de idéias iluministas e revolucionárias, mas também foi seduzido pelo pensamento conservador. Jamais ocultou o pensamento de que a melhora das condições de vida dos trabalhadores deveriam ser de iniciativa das elites que eram formadas pelos industriais e cientistas. August Comte deve seus principais focos de pensamentos à Saint-Simon, porém, ao contrario dele, Comte era um pensador menos original e inteiramente conservador, um defensor sem ambigüidade da nova sociedade. Para ele, a propagação das idéias iluministas em plena sociedade industrial somente poderia levar à desunião entre os homens, e para que isso não ocorresse era preciso restabelecer a ordem nas idéias e nos conhecimentos, criando um conjunto de crenças comuns a todos os Homens. Também no pensamento de Durkheim, a ordem social seria preocupação constante. Através dele que a sociologia penetrou nas universidades. Ele acreditava que o principal fato causador de problemas na sua época era certa fragilidade da moral em orientar adequadamente o comportamento dos indivíduos. Compartilhava com Saint-Simon a crença de que os valores morais constituíam um dos elementos eficazes para neutralizar as crises econômicas e políticas. Segundo ele, a divisão do trabalho deveria em geral provocar uma relação de cooperação e de solidariedade entre os homens. Segundo seus pensamentos, Durkheim elaborou uma serie de “regras” as quais ele achava que a sociologia deveria se direcionar, que vieram posteriormente a marcar decisivamente a sociologia contemporânea. Se para a manutenção da ordem capitalista, teve-se o positivismo como principal defensor, o contrario ocorreria com o socialismo que procurará criticar ativamente este sistema de governo. Este conhecimento negador da sociedade capitalista provém do pensamento socialista, que encontra em Marx e Engels a sua elaboração mais expressiva. A formação teórica do socialismo marxista constitui uma complexa operação intelectual, na qual são assimiladas de maneira crítica as três principais correntes do pensamento europeu do século passado: o socialismo, a dialética e a economia política. Weber apresentou também estudos sobre a burocracia estatal e como a ética protestante influenciava para a correta implantação do capitalismo. Estes pensadores tiveram grande importância com relação ao fornecimento de pensamentos explanando e especificando a sociedade da época e contribuíram também para o entendimento da correlação entre os homens e sua história.

 

O DESENVOLVIMENTO:

 

            O desenvolvimento da ciência da sociologia teve como um dos principais planos a existência de uma burguesia que se distanciou de seus projetos de igualdade e fraternidade e que se comportava no plano político de forma mais conservadora do que antes, usando de todos os seus meios para se manter no domínio. O sistema capitalista estava sendo descreditado por diversos fatores que vieram a causar repercussões nos pensamentos sociológicos contemporâneos. Porém, a burocratização da sociologia ainda não era concreta o bastante para inibir a produção intelectual. Durante as três primeiras décadas do século passado, foi o período em que a sociologia mais desenvolveu seu pensamento. Foi o momento em que a pesquisa de campo firmou-se nesta disciplina, propiciando o levantamento de informações originais para a reflexão. Esta pesquisa foi amplamente utilizada nos EUA, mais especificamente na Universidade de Chicago, o que possibilitou um grande levantamento de dados empíricos. Juntamente com William Thomas, que era desta Universidade, Robert Park constitui outra personagem fundamental no desenvolvimento da pesquisa de campo na sociologia e influenciaram vários atuais sociólogos de renome existentes. Houve também uma intensa migração de intelectuais e cientistas para países com Inglaterra e Estados Unidos por causa da implantação de regimes totalitários em alguns países europeus, por causa de sua inevitável intolerância com a liberdade de investigação. Isto fez com que se causasse um golpe na consolidação da sociologia em alguns países europeus que haviam fornecido importantes contribuições para este pensamento. A sociologia foi utilizada posteriormente na luta pela contenção da expansão do socialismo, pela neutralização dos movimentos de libertação das nações subjugadas pelas potências imperialistas e pela manutenção da dependência econômica e financeira destes países em face dos centros metropolitanos, ou seja, passa a ser empregada para conter o avanço socialista. A ruptura de algumas tendências significativas da sociologia contemporânea possibilitou à sociologia se firmar como ciência de uma prática conservadora. Utilizada corretamente, a sociologia crítica tem permitido a compreensão da sociedade capitalista atual, das suas políticas de dominação e dos processos históricos que buscam alterar a sua ordem existente. O sociólogo deve conseguir libertar-se do pensamento burguês e tornar a sociologia um instrumento de com que ele possa agir contra os pensamentos e os poderes atuantes para podermos assim viver em uma sociedade mais justa.

 

            A obra apresenta o surgimento da sociologia e de suas relações com as diversas épocas em que teve influência de uma forma interessante para os que desejam aprender um pouco mais sobre o assunto. Apesar de ser de pequeno tamanho, apresenta o assunto de forma concisa e coesa, explanando claramente o tema que pretendeu abordar.

            Apresenta vários relatos históricos como forma de deixar o leitor à par dos acontecimentos que ocorreram e que vieram a influenciar na sociologia hoje estudada e difundida amplamente em diversas universidades.

            Faz a colocação de diversos pensadores de épocas diferentes e como eles, cada um de sue modo, modificou o pensamento sociológico e fez surgir esta ciência crítica.

            É uma literatura útil e explicativa para alunos de Direito, Sociologia, Filosofia e etc. Por ser de fácil leitura, pode ser lido por qualquer pessoa que se interesse por assuntos desta ciência e por fatos históricos.

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:

 

MARTINS, Carlos Benedito. O que é sociologia. 38. ed. São Paulo : Brasiliense, 1994. (Primeiros Passos)

 

http://74.125.47.132/search?q=cache:YguFQyswPeYJ:www.fadepe.com.br/restrito/conteudo/sociologia_oqueesociologia2.doc+o+que+%C3%A9+sociologia+carlos+benedito&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a